portugal-culture-art-and-historyA cultura portuguesa sedimenta-se num passado que remonta à pré-História, tendo sido influenciada por uma ampla variedade de civilizações e de culturas, que percorreram os milénios até aos nossos dias. Desde o movimento de romanização, que trouxe os latinos à Península Ibérica, no século III a.C., passando pelas sucessivas invasões de povos germânicos e árabes e pela lenta reconquista do que constitui hoje o território nacional, Portugal apresenta-se como um mosaico colorido através do qual podemos entrever todos os episódios longínquos que definem a sua identidade.

A marca dos invasores e o cruzamento dos povos que por aqui passaram regista-se, por exemplo, na memória arqueológica de Conímbriga e do Templo de Diana, em Évora, oferecendo as cidades de Olhão e de Tavira exemplos da arquitetura mourisca fortemente implantada no Sul do país. A arte da azulejaria criaria, por influência árabe, raízes na Península Ibérica, pois foram estes que trouxeram consigo os mosaicos com que decorariam as paredes dos seus palácios. O estilo desencadearia o fascínio dos povos autóctones, que simplificaram e adaptaram a técnica mourisca, combinada, no período renascentista, com novas tendências, importadas de Itália.

A influência estrangeira não se limitou, porém, ao período anterior à proclamação da independência e à revitalização da cultura clássica, no século XVI, ou não tivéssemos protagonizado nessa mesma época um movimento de descobertas, por via marítima, que nos pôs em contacto com povos, línguas e culturas de outros continentes. Seriam os portugueses a importar para a Europa os seus produtos e costumes, antes que potências como a Espanha, a Inglaterra e a França iniciassem as suas próprias aventuras de exploração e colonização ultramarinas.

Expressões artísticas como a arte manuelina, o fado e os azulejos permanecem hoje como símbolos da cultura portuguesa, integrando um Património Mundial reconhecido pela UNESCO através de 18 classificações, distribuídas por paisagens, monumentos e património intangível. São também o rosto de um país fiel às tradições históricas e à renovação de uma cultura secular, que ainda não deixou de deslumbrar quem o visita.